morada

“Faço de mim casa de sentimentos bons;
Onde a má fé não faz morada e a maldade não se cria

Me cerco de boas intencões e amigos de nobres corações;
que sopram e abrem portões com chave que não se copia”


É natural ouvir essa música e pensar nessa letra como algo que vai elevar a sua alma. Há alguns dias cheguei a conclusão mais simples e tranquila que eu tive nos últimos meses:  o nosso tempo é a nossa maior virtude.  Explicação: pense na sua casa, com a sua família completa e feliz, com seu prato de comida quentinho te esperando à mesa, a sua cama com cobertores, seu computador te esperando. Pense não ter tudo isso. Pense em crianças que foram abandonadas por seus pais; até mesmo tiradas dos mesmos por sofrerem maus tratos, exploração e ou são vítimas de violência. Pense não ter um lar ao qual retornar quando a noite chegar. Ou simplesmente pense chegar numa casa que não é sua, mas é o único lugar que te acolheu.

Às vezes o que essas pessoas precisam não é do nosso dinheiro ou de nossas roupas. Isso ajuda, claro. Mas isso não é o essencial. O essencial é que haja essa preocupação para com o mundo, vindo de todos os lados. Você já doou dez minutos do seu tempo para conversar com alguém que você viu chorando no ônibus ou no metrô? Não? Pois então faça isso numa próxima oportunidade. Quero ver se alguém que faz o bem – independente de conhecer a pessoa – não deita a cabeça no travesseiro e pensa: ‘Eu fiz a minha parte.’.


“Preencho meu peito com luz; alimento o corpo e a alma
Percebo que no não-possuir, se encontram a paz e a calma”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s